Google+ GRITOS VERTICAIS: Lucidez

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Lucidez


(Foto: Carlos Salim)
.
.
.
LUCIDEZ
(André L. Soares)
.
Nosso pecado original
não foi provar
do fruto proibido;
mas, sim,...
desmatar o Paraíso.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

38 comentários:

  1. Também acho! Muito legal!!! Amei!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Em poucas palavras uma grande verdade.

    É um belíssimo poema, André! Sabe o quanto gosto também desses pequeninos que você escreve né? :)

    Tanto em mensagem, quanto em poética são indiscutivelmente grandiosos.

    Amei essa linda partilha, querido Poeta! Beijusssssssssssss

    ResponderExcluir
  3. E apesar de sabedores, ainda estamos! E nos dizemos humanos...

    ResponderExcluir
  4. Interessante como poucas palavras dizem tudo, quando se sabe usálas ,PARABENS!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. "Que seja eterna a vitória dos seus dias,
    mesmo quando eles lhe derem
    a impressão de fracasso.
    E nunca se esqueça que atrás das nuvens
    sempre existirá sol."

    (desconheço o autor)

    Hoje passando para desejar um lindo final de semana com muito amor e carinho
    Abraços do amigo Eduardo Poisl

    ResponderExcluir
  6. Muito bom rapaz.

    Desmatar é matar.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. André vc é um gênio!!!!
    Vc disse tudo de maneira suscinta.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Perfeito, dizer mais o quê?
    Abração.

    ResponderExcluir
  9. Adorei conhecer seu blog. Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. O homem
    - desobediente desde o começo
    e até onde consegue...

    Belo poema!
    Curto, mas extremamente denso.

    Aprecio muitíssimo
    debates religiosos:
    Deus, fé, pecado, Bíblia...
    É complicado,
    mas delicioso
    lidar poeticamente
    com estes temas.

    Um beijo
    e muito obrigada
    pelos comentários tão atenciosos
    no doce de lira.
    Sinta-se sempre em casa! : )

    ResponderExcluir
  11. Meu caro, que poemas fantásticos você escreve! Um jogo verbal inteligente e instigante, coisa rara de ler!

    Suas declamações também são muitíssimo boas!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. olá, excelente blog.
    Te add em meu blog no Link me ^^

    bjs

    http://blogbelt.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Lobo do mar,
    gostei demais do poema...crítico e lírico ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  14. OPA!
    é sempre bom fazermos parcerias... ajudamos a divulgar nossa arte é sempre é bom ne ^^

    http://blogbelt.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Gostei bastante. Teu poema fez eu me sentir um pouco culpada '-' parabéns, moço :D

    ResponderExcluir
  16. André,

    Fantástico! Você conseguiu em cinco linhas expressar toda a ignorância predatória de nossa raça.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  17. menino...que verticais gritos...que brados a percorrer os prados, desmatados ou não por pecados pouquíssimos originais...

    diz que ferve uma poesia lindamente lírica nessas paragens daqui.

    adorei sua visita na minha janela, descortinando-a, acetinando-a com olhar cristalino de sensibilidade e azuis!

    voltarei sempre e te espero muitas muitas vezes a par de minha janela, ao pé de minha poesia.

    grandes beijos...

    iara

    ResponderExcluir
  18. Falou tudo!!

    Abraços!
    das

    ResponderExcluir
  19. A imagem utilizada é linda. Adorei o espaço vou guardar o nome para voltar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. hi.. just dropping by here... have a nice day! http://kantahanan.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Adorei !!!

    Uma ótima quinta pra ti...

    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Oi ... adorei seu blog ...
    linkei ele no meu flog de poesias ...
    Linka eu tb !!
    não custa nada ...
    abraços
    até mais ver ...

    ResponderExcluir
  23. oi tudo bem teem um selinhio pra vc no meu blog, tenha uma ótima 5ª

    ResponderExcluir
  24. e o paraíso pode ser o coração humano devastado pelo fim não esperado... abs.

    ResponderExcluir
  25. Quero lhe fazer um convite:

    Meu blog está promovendo a blogagem coletiva "Professores do Brasil". Gostaria muito de contar com sua participação.

    Se você puder (e torço para que possa), é só ir lá no meu blog.

    Desde já lhe agradeço.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  26. Anônimo21:33:00

    Muito shoWWW!!! de grande utilidade!!Parabéns!!!Adorei as informações, a criação e desenvolvimento desse site!!!

    http://empresadecriacaodesites.com

    ResponderExcluir
  27. Cara levo fé tu tem talento pra isso concordo com tigo quando puder dá uma visitadinha no meu site.

    ResponderExcluir
  28. UAU!!!!!!!!!!!

    Disse tudo de um jeito bom e bonito.

    Com admiração,

    Cris

    ResponderExcluir
  29. Nosso erro tem sido esse mesmo, Poeta. Destruir a criação. Acertou mais uma vez, em cheio. E com poucas palavras.

    Beijinhos, meu poeta.

    ResponderExcluir
  30. André, obrigada pelo gentil comentário em meu blog. Também gostei do seu. E estes versos são pura verdade e "lucidez". Abraços.

    ResponderExcluir
  31. A singeleza do Belo, conjugada com a "lucidez" deste poema, engrandece-o!

    Samuel Pimenta.

    ResponderExcluir
  32. Por que os frutos são tão atraentes à nossa visão?

    Por que muitos exalam perfumes agradáveis e outros têm cores e formas que nos alegram, que nos atraem?

    Por que praticamente todas as frutas, quando maduras, têm um sabor de "quero mais"?

    Parece-me que o motivo é que nós devemos consumir as frutas que as árvores nos oferecem.

    Por que então nos impingiram a idéia de fruto proibido? Não vejo lógica disso, valendo-me do que a Natureza me indica.

    Por outro lado, derrubar a árvore que fornece o fruto, deveria ser totalmente proibido.

    Afinal, sem a árvore, nada de fruto, nada de alimento, nada de vida.

    ResponderExcluir
  33. Anônimo16:26:00

    Querido poeta maior !
    Quanta coisa bella produziste ,quanta sensibilidade !

    ResponderExcluir
  34. Perfeito!
    Disse muito,em tão poucas palvras!
    Parabéns,lucido poeta!

    ResponderExcluir
  35. Da ignorancia dos homens, hoje só vejo se tirar cegueira!

    Triste... Mas tens toda a verdade nas palavras poetizadas!

    ResponderExcluir
  36. Seu grito ecoa em brancas folhas
    E repercute em paredes nuas
    Reverbera no vão da rua
    E lampeja aos olhos
    Toca bem na alma
    Supre o vazio.
    Parabéns por sua verbe poética!
    www.bollog.com.br
    Abraços, José Maria Cavalcanti.

    ResponderExcluir
  37. Boa tarde.

    Agradeço a todos pela leitura, comentários e generosa apreciação.

    Espero que continuem prestigiando os 'Gritos Verticais'.

    Muito obrigado.
    Sejam todos sempre muito bem vindos

    Grande abraço!

    ResponderExcluir