Google+ GRITOS VERTICAIS: Os Invisíveis

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Os Invisíveis


(El Hombre de Arena - Madstalfos)
.
.
.
OS INVISÍVEIS
(André L. Soares)
.
Famintos pelas ruas,
vestidos com mulambos,
calçados com chão duro;
banhados na sujeira,
sob as luzes do entulho.
Tratados pior que bichos:
têm por teto, as estrelas;
por comida, só o lixo;
quando mortos, sem velório;
enquanto vivos, sem defesa.
.
São os filhos invisíveis,
desse matrimônio inglório
da maldade com a pobreza.
.
.
.
.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

41 comentários:

  1. André

    Um belo, denunciante e duro poema que nos arranha. Afinal cada um de nós talvez seja um pouco responsável por esse "matrimónio inglório da maldade com a pobreza"


    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Imensa é a tribo dos invisíveis... E cresce a cada dia. Real e assustadora verdade.
    Muito bom, André.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Saudações!
    Amigo André,
    Um poema emocionante que sopra as almas empobrecidas de todos os tempos!
    Parabéns meu amigo!
    Abraços,
    LISON.

    ResponderExcluir
  4. Imagem forte.

    Enquanto cresce o número de miseráveis, excluídos , invisiveis... aumenta também a violencia... uma fica atrelada a outra, e nós os "visiveis" na grande maioria das vezes fazemos vista grossa, olhamos para o lado oposto.

    ResponderExcluir
  5. André, é sempre um prazer ler mais um poema seu.

    Mesmo quando se trata de versos que nos fazem lembrar o tanto de injustiça e tristezas que existem pelo mundo.
    Ah, mas um bom poema é isso né?
    Não nos deixa escapar do que o poeta sentiu ao escrever.

    Meu querido,... parabéns por mais esse precioso poema e postagem! Minha admiração por sua poesia cresce a cada dia viu? ;)

    Beijussssssssss

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, chocante!. Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. excelente poema ,um lamento daqueles que querem ser visto me fez lembra do romance
    “OS MISERÁVEIS” VICTOR HUGO”

    ResponderExcluir
  8. A vida é um incêndio:
    nela dançamos,
    salamandras mágicas
    Que importa restarem cinzas
    se a chama foi bela e alta?
    Em meio aos toros que desabam,
    cantemos a canção das chamas!
    Cantemos a canção da vida,
    na própria luz consumida...

    (Mário Quintana)

    Desejo um lindo resto de semana com muito amor e carinho.
    Abraços Eduardo Poisl

    ResponderExcluir
  9. Cara gostei muito

    Totalmente eu. Totalmente

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Tô te seguindo agora
    Passa no meu blog e v~e se curte abraço!

    ResponderExcluir
  11. Mais uma vez André, tenho que parabenizá-lo por seu ppoema, muito bonito.
    A paz

    ResponderExcluir
  12. André... saudades de comentar o que é bom!

    Olha, nós fazemos isso muitas vezes. Por exemplo, eu faço por me sentir impotente. Tem uma mãe com um menino que vive pelas lixeiras da Gavea ao fim do dia. Mesmo com chuva. Aquilo me corta o coração e me sinto uma das piores pessoas do mundo. Então eu passo que invisível tambem. Não para mãe e filho, mas eu mesma, queria que não me vissem porque não tenho como ajudá-los. Quem sabe um dia...

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Bom dia.
    Ocupo este espaço para lhe dar a conhecer a www.bubok.pt, um serviço de auto-publicação online que dá a qualquer autor a possibilidade de editar e publicar as suas obras. O processo é muito simples e o controlo está sempre nas mãos de quem publica.

    Em www.bubok.pt encontra todas as ferramentas e serviços que necessita para publicar e vender as suas obras, em formato electrónico ou em papel. Porque a Bubok tem preocupações com o ambiente, o seu serviço de publicação funciona segundo sistema Print-on-Demand: só se imprimem os livros encomendados, não sendo necessário um número mínimo para o fazer e sem originar excedentes.

    A nossa prioridade é o autor. Em www.bubok.pt é você quem define o processo editorial da obra e, para além de publicar as suas ideias facilmente, recebe 80% dos lucros das vendas.

    O seu livro está nas suas mãos. No entanto, se precisar de algum esclarecimento, não hesite!

    marta.furtado@bubok.com

    ResponderExcluir
  14. Olá André.

    Olá parceiro, Dalete ex- Girls Wireless... vi avisar que agora estamos aqui ----> BlogueirasCompulsivas atualiza nosso link.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Contundente, essencial.
    abraço,

    ResponderExcluir
  16. Uau, que voz deliciosa! Adorei as declamações. :DD

    ResponderExcluir
  17. ANDRE
    LOBO DO MAR, ESTRANHo CODINOME PARA UM POETA QUE TEM OS PÉS BEM FINCADOS AO PLANETA TERRA E SEU ENTORNO(des)Humano...MAS BEM O SEI, COMO DIZEM OS PESCADORES: O MAR É UMA CAMA MACIA..., mas que o mar ninguém pode, e aí seguem um corolário de seduções que fazem muit@s serem presa do mar.
    ALIÁS SOBRE O MAR ESCREVI UMA PEÇA " OS 7 SEGREDOS DO MAR", O MAR É COMO o AR QUE RESPIRAMOS QUANDO NELE MERGULHAMSO NOSSOS EUS.
    MAS VIM AQUI PARA AGRADECER SUAS GENTIS PALAVRAS NO ARMAZEM E TAMBÉM AGRADECER SUA CRÍTICA.. JÁ VOU MUDAR A COR DAS LETRAS, PARA QUE A LEITURA SEJA MAS TRANQUILA. Abraço desde o mesmo mar
    Carmen

    ResponderExcluir
  18. interessantíssimo seu poema.

    ResponderExcluir
  19. Grito que deveria ser ouvido. Infelizmente, o poder não é apenas cego. Sofre também de surdez social, - só ouve o que lhe interessa.

    E você, poeta, como sempre... perfeito!

    Bjs, meu amigo, e inté!

    ResponderExcluir
  20. Muito sensível cada palavra!
    Visite-me e veja algumas poesias que fiz... abraço!

    ResponderExcluir
  21. Olá! Bom Dia!
    Visitei todos os seus espaços, particularmente encantada com "Inópia" e não menos encantada pelos outros frutos de sua incrível capacidade de expressão. Consegues ser contemporâneo sem perder a poesia, já tão carente em nosso dia-a-dia acinzentado, corrido e desatento aos detalhes.
    Pois bem, expus seu banner principal em destaque, mas necessito colocá-los todos, pois imagino que para os professores, muitos textos teus gerarão análises prodigiosas de léxico e conteúdo, principalmente nas turminhas de 3º, 4º e 5º ano. Estou criando os banners, porém se você já os tiver ou preferir criá-los de forma pessoal, fique a vontade. Intitulei de "A poesia vem daqui", Irão amar!
    No mais, apenas continue escrevendo...rs
    Para que nós, reles mortais, continuemos lendo...rs
    Fique com Deus, semana iluminada para ti!
    ps: Como seu espaço é bastante clean, não há necessidade de utilizar o banner dos lápis de cor, pode 'destoar', ainda não criei nada menos colorido...rs.
    Liza

    Espaço Educar
    http://espacoeducar-liza.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. Dura e crua realidade, retratada num lindo poema. Parabéns.

    ResponderExcluir
  23. Olá, Lodomar! Grata pelo comentário em meu blogue! Também saio a caça de blogues, sites e outras coisas tantas bonitas da vida para conhecer! Gostei também muito de sua página! Aos poucos vou lendo e explorando, tenha certeza. Poesia e música são coisas que andam juntas, mesmo sem instrumento... natural... tudo de bom para você, com muito fôlego para nadar pelos oceanos... bjs

    http://www.myspace.com/dmzio

    ResponderExcluir
  24. Duramente realista.

    Abraço grande,

    Pablo
    http://cadeorevisor.wordpress.com

    ResponderExcluir
  25. Lindo o seu texto, de uma sensibilidade!!!

    ResponderExcluir
  26. parabénss pelos belos poemas. Eu amei,volto pra ler mais...Meus favoritos.

    ResponderExcluir
  27. Doloroso e altamente realista o poema!
    Oh mundo cruel que vivemos!

    Parabéns André, sou uma grande admiradora desses seus pensamentos compassivos...


    Beijos

    ResponderExcluir
  28. Uma paixão desapaixonada
    Uma razão desencontrada
    Uma palavra vazia de sentido
    Uma inquietação gerada do nada

    A calmaria é o fim da tempestade
    Ou será o princípio da tormenta?!
    As velas recolhem o vento
    Minha alma acolhe o que o coração inventa


    Boa semana



    Abraço

    ResponderExcluir
  29. Disse muito bem, filhos invisíveis de uma sociedade cada dia mais caolha e insana. Filhos esquecidos, irmãos rejeitados e cidadãos indesejados.
    Pobr sociedade que trata como lixo seres humanos.
    Abraço
    Angel

    ResponderExcluir
  30. André,
    suas linhas são perfeitas, mesmo quando se trata de problemas tão severos, você consegue dá um show.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  31. Oi, André!

    Gostei de seu blog e estou acompanhando.

    "O Invisíveis", realidade feia em belos versos.

    parabéns!

    Taninha

    ResponderExcluir
  32. ainda há almas que conseguem ver os "invisiveis"
    Um abraço*

    ResponderExcluir
  33. Nossa você com suas poesias estão cada vez melhores,adoro muito seu blog!
    Um Abraço!

    ResponderExcluir
  34. André
    Gostei muito dos teus poemas. Gostaria de saber se posso postar alguns em meu blog.
    Obrigada
    Silvia
    www.poesiasprosaemais.blogspot.com
    www.pelavitrine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. Marcos02:59:00

    Simplesmente gostei!!!

    ResponderExcluir
  36. O valor gritante das palavras torna vivos na minha mente esses "filhos invisíveis".
    Adorei!

    Samuel Pimenta.

    ResponderExcluir
  37. larissa12:14:00

    ola pessoal gostaria em primeiro lugar da os meus parabens pelo blog adorei e gostaria tambem de convidar vcs para conhecer o site htts://www.cliquesexshop.com.br

    ResponderExcluir
  38. Anônimo14:18:00

    Olá foi a 1ª vez que encontrei o teu blogue e adorei muito!Espectacular Projecto!
    Até à próxima

    ResponderExcluir
  39. Boa tarde.

    Agradeço a todos pela leitura, comentários e generosa apreciação.

    Espero que continuem prestigiando os 'Gritos Verticais'.

    Muito obrigado.
    Sejam todos sempre muito bem vindos

    Grande abraço!

    ResponderExcluir