Google+ GRITOS VERTICAIS: Da Saudade

sábado, 10 de novembro de 2007

Da Saudade


(Pergola in Capri – Wright E.)
.
.
.
DA SAUDADE
(André L. Soares)
.
Guardo em pedra bruta
a frase que sangra
frente o tempo que arranca
sorrisos de diamante,
incrustados no rosto
desgastado pelo ópio
amarelo-manga.

Travo o verso que assusta
e arrasta a inocência na areia
onde se perde meu ego,
destilando gotas de aspereza
na contingência certeira
a disfarçar o grito
da saudade que cega.
.
.
.

7 comentários:

  1. Grande André!!
    Fazendo uma Visita para Retribuir a mesma que você fez aos meus Blogs!
    Na realidade sou Artísta Plástico mas estou com os Pincéis Aposentados??
    Faz 5 anos que faço pequenas Artes Digitais em PC!
    Mas já tive bons momentos nos Anos 80 quando tentava ser alguém conhecido no Mundo das Artes!
    A minha 1ª Vernissagem ao público foi em 82 na Reinauguração do Teatro Carlos Gomes, tendo a Maravilhosa "Molga" como a minha Madrinha!
    Fico Feliz quando encontro "Amigos! da Arte!!
    Um grande Abraço!!

    ResponderExcluir
  2. Poema belíssimo! Bom te descobrir na blogosfera, André!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Poema belíssimo! Bom te descobrir na blogosfera, André!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi, querido!
    Passei aqui para ler um cadinho dessa sua preciosa poesia.
    Sabe como é... dá saudades... ;)

    Maravilhoso esse poema!
    Como todos né. Beijusssssssssssss Poeta.


    Tenha um lindo Domingo!

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!
    É a primeira vez que visito o seu blog!Adoreiiii!!
    parabéns.

    se der faça-me uma visita:
    http://crispalavras.blogspot.com
    Ah!!Tomo a liberdade de colocar o link no meu blog,ok?

    Um abraço.
    Cristiane Galvão.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde.

    Agradeço a todos pela leitura, comentários e generosa apreciação.

    Espero que continuem prestigiando os 'Gritos Verticais'.

    Muito obrigado.
    Sejam todos sempre muito bem vindos

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. A minha inocencia nao está perdida na areia, porque sempre que volto a mim, entendo como realmente eu sou.

    Beijos

    ResponderExcluir