Google+ GRITOS VERTICAIS: Sonho de Infância

domingo, 21 de outubro de 2007

Sonho de Infância


(Timeless Summer – Jim Daly)
.
.
.
SONHO DE INFÂNCIA
(André L. Soares)
.
Fugi de vez pra pintura do caderno,
vou ser, pelo eterno, a criança de agora,
pintarei o sol com a cor dos teus olhos
num desenho à mão-livre e sem fronteira.
.
Corro nos campos, em meu cavalo imaginário,
não há mais hora pra acabar a brincadeira;
chamo os amigos pra jogar amarelinha,
subir os montes e passear na floresta.
.
A vida é festa, não existem mais perigos,
salto das nuvens, sobre o leito dos rios,
pulo corda em meio à taba dos índios,...
meu novo herói é um pequeno curumim.
.
Brinco assim,... integrado à natureza,
essa beleza é o futuro que me aguarda,
mundo perfeito vai ter paz a noite inteira
e final feliz, como nos bons contos de fada.
.
Subo, então, na bicicleta,
jogo bola e empino papagaio,
lanço o peão montanha abaixo,
pulo ponte, salto morros.
.
Canto uma canção de roda,
ao escurecer, conto as estrelas,
pela manhã tomo banho no riacho
para depois começar tudo de novo.
.
.
.

9 comentários:

  1. André, Li seu desafio lá no meu blog. Bem, sou um tanto estranha e penso como o poeta Saint-John Perse. "A macieira dá maçãs. Só o fruto importa, não as entranhas destiladoras da árvore"...

    - Então é assim, minha poesia, um fruto, eu sou a árvore... nunca vi ninguém mastigando árvores, mas, sempre vejo pessoas comendo maçãs.
    Depois, a poesia ela nasce mesmo e nunca paro e por vezes nem me lembro a criação de cada poema. ok?
    Se eu escrevo no computador? Não, geralmente surge a idéia ou imagem no instante em que estou em outro lugar, tenho muitas anotações, poesias incompletas, etc... Mas, é isto. A poesia é um mistério. Não é um conto, nem narrativa, nem deslocar uma paisagem para uma página, a poesia precisa ter uma fibra humana dentro, de sangue ou lágrima, ou gozo ou revolta ou espanto... é um tanto compllicado, mas, um bom poema a gente reconhece... como reconhece o sabor da maçã.
    um abraço
    Bàrbara

    ResponderExcluir
  2. André, fico muito grata e saiba da honra pela lembrança. Já copiei o selo. a propósito, esta sema fui na busca do google com meu endereço na busca de um post antigo de um amigo. Tomei um susto , pois quase 500 documentos. Até onde eu consegui acessar, muitos blogs que não conhecia, estão linkados ao meu, ou tem uma referência a um post, ou uma homenagem como essa sua. Incrível esse mundo virtual! Uma certa janela "indiscreta" ao qual possibilitamos. Somos observados de diferentes partes do mundo...Por olhares tão diferentes, diferentes óticas, culturas. Algo deve ter de universal nisso tuido. Bem, falei demais só pra dizer o quanto sou grata.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Poeta!
    Passei para te agradecer pelo lindo "meme" que postou em meu Blog.
    Ficou maravilhoso o seu viu. ;) Embelezou ainda mais meu cantinho poético.
    Obrigada por ter aceitado participar querido.
    Bem, como não sabia ao certo se deveria responder pelo link que me passou, resolvi fazer por aqui já que vim também para apreciar sua postagem de hoje.
    Que por sinal, como sempre está maravilhosa. Parabéns! “Sonho de Infância" é um lindo poema e a escolha da tela foi de muito bom gosto.

    Beijussssssssss e uma linda noite de Domingo pra você querido.

    ResponderExcluir
  4. Muito bonito este poema. Obrigada. Encheu-me de infãncia. :)

    ResponderExcluir
  5. André, fico muito grata pela parceria, seu banner já se encontra no meu blog.
    Abraços
    Mary

    ResponderExcluir
  6. oi... aceito a parceira sim... add meu banner ai e deixa um recadinho la... que eu add em seguida... adorei o blog... beijinhos... http://musicamp3gratis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. muito boa sua obra,continui assim.


    http://www.mundosubliminar.xpg.com.br
    http://www.solendasurbanas.xpg.com.br

    ResponderExcluir
  8. ola André belo poema ,naquela época tinha infancia ,mas agora esta geração não sabe oque esta perdendo ao ler este post lembrei-me ..
    Oh ! que saudades que eu tenho
    Da aurora da minha vida,
    Da minha infância querida
    Que os anos não trazem mais !
    Que amor, que sonhos, que flores,
    Naquelas tardes fagueiras
    À sombra das bananeiras,
    Debaixo dos laranjais !
    Cassmiro de Abreu

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde.

    Agradeço a todos pela visita, leitura e comentários. Espero que continuem presigiando os 'Gritos Verticais'.

    Muito obrigado.
    Sejam sempre muito bem vindos.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir