Google+ GRITOS VERTICAIS

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O Livro 'Gritos Verticais' Recebe o Prêmio Literarte: 'Melhores Livros de Poesias 2012'

.
.
.
PRÊMIO 'MELHORES LIVROS DE POESIAS 2012'
.
No dia 14 de setembro de 2012, em cerimônia realizada no Palácio de Cristal, na belíssima cidade de Petrópolis (RJ), o livro 'GRITOS VERTICAIS' foi agraciado com o Troféu 'Cláudio de Sousa', conferido pela Associação Internacional  de Escritores e Artistas (LITERARTE), na categoria: 'Melhores Livros de Poesias 2012'.
.
Deixo aqui registrados os meus mais profundos agradecimentos a Bárbara Pérez, Izabelle Valladares e Dyandreia Portugal. 
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Posse na Academia de Artes, Cultura e Letras de Marataízes - ES.


.
.
.
Em 14 de julho de 2012, em cerimônia realizada no Palácio das Águias, tendo Nara Leão como patronesse, fui empossado, como membro efetivo, na Cadeira n.º 16 da Academia de Artes, Cultura e Letras de Marataízes (ES).
.
Registro, aqui, meus agradecimentos à Bárbara Peres, presidente da academia; bem como a todos os parentes, amigos e demais presentes.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

sábado, 2 de junho de 2012

Segundo Lugar - III Prêmio Literário Legislativo de Caçapava do Sul

.
.
.
Em 10 de maio de 2012, meu poema intitulado 'Fugindo Numa Tela de Van Gogh' conquistou o 2º Lugar no III Prêmio Literário Legislativo de Caçapava do Sul (RS), na categoria 'Poesia - Comunidade'.


O evento contou com a participação de 433 inscritos, oriundos de todo o Brasil, além de escritores de Japão e Suíça.


A partir deste concurso, foi produzida antologia, com os premiados em cada uma das categorias (conto, crônica e poesia).


Deixo aqui meus sinceros agradecimentos aos membros da Câmara Municipal de Vereadores de Caçapava do Sul (RS), bem como aos membros da Casa do Poeta Caçapavano, pela competência na organização do evento.


Parabenizo também a todos os participantes. E até a próxima! 
.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Close

 (Foto: André L. Soares)
.
.
.
CLOSE
(André L. Soares)
.
Quando
a saudade
se converte
em canto
agudo,
vejo um filtro
sobre as imagens
– quadro a quadro.
Em um segundo
é teu rosto
sorridente,
sobrepondo-se
a tudo.
.
Como num filme,...
protagonizas
minha vida
e meu mundo.
Então, foco
em ti
minha objetiva,...
todo o resto
sendo só
pano de fundo.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Soneto da Razão do Louco

(Foto: André L. Soares)
.
.
.
SONETO DA RAZÃO DO LOUCO
(André L. Soares)
.
Se controlado, então passo a ser outro,...
mas, se me mostro livre e original,
a sociedade prima pelo igual
e logo diz que sou só mais um louco.
.
Se invento coisas, tal um deus absorto
– posto que em mim existe um mundo real –,
alguém me interna; e pra curar o ‘mal’...
...ganho torturas para a mente e o corpo.
.
Mas, alguém sabe sobre o certo e o errado?
Por isso indago;... e quem puder me diga:
– Serão malucos todos em suplício?
.
– Quem mais merece estar dentro do hospício:
o homem insano,... pronto para a briga?
ou,... o homem normal,... passivo feito gado?
.
.
.


.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Galope Surreal

(Foto: André L. Soares)



GALOPE SURREAL
(André L. Soares)
.
Entre deuses e mundos infindos
saúdo Netuno, que é meu irmão;
depois de milênios vivendo em seu reino
me lanço no espaço obscuro do céu,
fui brincar com Atena no anel de Saturno
e plantar em Mercúrio um novo sorriso,
pra louvar o amor de Dadá e Corisco,
com as bênçãos de Gandhi e Jubiabá!...
Voando sereno, nas asas do sonho,
montado em Pégaso,
nesse galope interestelar!
.
E se o mar é miúdo pra minha nau,
o bem e o mal não são páreos pra mim;
feroz como um raio, parto pra Marte,
no grande estandarte: o Corão e o Pasquim.
Medusa sugere o caminho pro sol,
mas cruzei a galáxia guiado por Thor;
e vi doze sereias amarem Narciso,
felizes, ao som de Dodô e Osmar!...
Voando sereno, nas asas do sonho,
montado em Pégaso,
nesse galope interestelar!
.
Numa lua de Urano: oceano de luzes,
com mil tons lilases e gases néon,
vi quasares sugados por buraco negro
em tela de Dali e verso de Drummond;
a voz de Elis ecoou dentro do big-bang,
fazendo o tempo render-se à canção
que Homero escreveu numa tarde, em Vênus,
enquanto valsavam Zeus e Piná!...
Voando sereno, nas asas do sonho,
montado em Pégaso,
nesse galope interestelar!
.
De volta à Terra, retomo a quimera,
bandeira maior de nossos ancestrais:
viver em harmonia, num mundo sem guerra,
sem dor, sem miséria, fome ou solidão,
em que toda ambição busque o bem-comum;
sendo tudo tão belo tal Rio e Cancún,
selando, pra sempre, a paz derradeira
no beijo de Obama em Ahmadinejad!...
Voando sereno, nas asas do sonho,
montado em Pégaso,
nesse galope interestelar!
.
.
.
 
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos